Home » Estética » Rejuvenescimento » Por que meu dermatologista prescreveu ácido para minha pele?

Por que meu dermatologista prescreveu ácido para minha pele?

Você voltou da sua visita ao dermatologista e se perguntou por que ele prescreveu ácidos para você? Com tantas novidades no mercado de beleza, por qual motivo ele não prescreveu nenhum produto de marca famosa e com tecnologia de ponta? Com um dia a dia tão corrido por que você iria querer usar ácidos e descamar? Vamos descobrir.

O envelhecimento da pele é caracterizado por uma série de alterações na estrutura cutânea, decorrentes de fatores próprios do indivíduo (o chamado envelhecimento intrínseco) e de fatores externos (envelhecimento extrínseco), como cigarro, exposição solar e estresse. Notamos o aparecimento de rugas e linhas finas, pele áspera, manchas escuras, coloração amarelada, pele grossa com aspecto de couro, cravos (sim, cravos aparecem com o envelhecimento também) e flacidez.

Face feminina envelhecida
Face feminina mostrando sinais de envelhecimento. Manchas, rugas, flacidez e perda de viço são notados na pele envelhecida.

Em geral todos os ácidos usados no rejuvenescimento produzem uma maior descamação e renovação das células da pele (que foi reduzida com o envelhecimento), desobstrução dos poros, clareamento da pele, aumento da espessura da pele pelo estímulo a formação de fibras de colágeno e elastina, e novos vasos (o que melhora a nutrição local). Ao final vemos uma pele mais lisa, de coloração uniforme, com diminuição das linhas finas e rugas. Porém existem características específicas de cada família de ácidos. Veja a seguir.

Retinoides

Grupo composto pela vitamina A e seus derivados naturais ou sintéticos. Estimulam fatores de crescimento celulares, diminuem a produção de sebo, possuem efeitos anti-inflamatórios, impedem a produção de substâncias que degradam as fibras de colágeno, além de estimularem a produção de novas fibras de colágeno e elastina pela pele.

Possuem ação clareadora através da renovação das células da superfície da pele (epiderme). A melhora das alterações vistas no envelhecimento é dependente da potência usada do ácido, concentração e tempo de uso. Não devem ser usados durante a gravidez e amamentação.

Exemplos de retinoides:

  • Retinol ou vitamina A
  • Ácido retinoico ou tretinoína
  • Retinaldeído
  • Isotretinoína
  • Adapaleno

O ácido retinoico é a substância comprovadamente com o maior potencial de estímulo de colágeno e elastina, ou seja, o produto capaz de trazer as transformações de rejuvenescimento mais dramáticas entre todos os tópicos existentes no mercado.

Alfa Hidroxiácidos

Grupo de ácidos que são conhecidos como os ácidos de frutas. São menos potentes que os retinoides, porém ainda muito efetivos.

Ações na pele

  • Atuam na epiderme sobre as células mortas, diminuindo a adesão entre elas e fazendo assim uma esfoliação leve e uniforme
  • Aumentam a formação de uma substância que dá sustentação a pele, chamada glicosaminoglicana e diminuem a perda de água pela pele
  • Conforme a formulação montada podem ser usados com intuito de esfoliação ou hidratação
  • Possuem uma ação antioxidante, combatendo os radicais livres.

São exemplos:

  • Ácido glicólico, derivado da cana-de-açúcar
  • Ácido lático, do leite azedo
  • Ácido cítrico, das frutas cítricas como o limão
  • Ácido málico, da maçã
  • Ácido tartárico, da uva
  • Ácido mandélico, das amêndoas amargas.

Beta Hidroxiácidos

Representados pelo ácido salicílico, têm ação antimicrobiana e produz uma esfoliação leve da pele. Assim, melhora áreas de pele engrossada e diminui a obstrução dos poros. Este ácido tem capacidade de penetrar na glândula sebácea, por isso é muito usado em pacientes de pele oleosa com tendência a acne.

Poli Hidroxiácidos

Neste grupo temos a Gluconolactona e o ácido lactobiônico, que têm efeitos semelhantes aos alfa hidroxiácidos e poder de atrair moléculas de água hidratando a pele.

Em quanto tempo posso notar a melhora na minha pele?

Os efeitos são notados após algumas semanas de uso e são contínuos.

Em que produtos os ácidos podem ser usados?

Em cremes, loções, géis, produtos de limpeza da pele, shampoos, entre outros em concentrações mais baixas para uso domiciliar na sua rotina. Podem também ser usados em altas concentrações em consultório médico nos peelings químicos.

Quais são os efeitos adversos mais comuns?

Você poderá notar ressecamento, descamação, sensação de ardência, pinicação ou coceira e sensibilidade à luz solar. Os sintomas variam de intensidade entre as pessoas e conforme concentração e tipo de fórmula montada pelo médico, geralmente são mais intensos no início do tratamento. Existem pacientes alérgicos a alguns tipos de ácidos, e neste caso a reação será mais intensa. Isto ocorrendo, o uso deve ser interrompido e seu médico irá prescrever o tratamento para alergia. Neste caso o paciente não deve voltar a usar o ácido em questão.

Atenção: ao se usar ácidos fortes deve-se redobrar os cuidados com filtro solar e não se expor diretamente ao sol como em praias, piscinas e campo. Nem todos os ácidos deixam a pele sensível, existem produtos leves que podem ser usados durante o verão com tranquilidade.

Pote de creme facial
Pote de creme facial.Os ácidos podem ser usados em cremes noturnos prescritos pelo seu dermatologista.

Que outros cuidados devo ter?

  • Suspenda o uso dos ácidos de 2 a 7 noites antes de procedimentos como limpeza de pele ou depilação com cera.
  • Aplique o produto em camada fina, à noite sobre a pele seca.
  • Evite aplicar fórmulas com ácido logo ao sair do banho, pois a absorção será maior e a irritação também. Espere pelo menos 30 minutos.
  • Mantenha a pele hidratada, já que um dos principais efeitos colaterais é o ressecamento. A hidratação trará maior conforto e tolerância no uso dos ácidos.
  • Avise seu médico dermatologista sobre qualquer irritação mais intensa na pele. Ele irá lhe instruir a forma de uso e como diminuir a irritação.

Autora: Dra Gabriela Pfitzer Schaefer CRM-SC 12965 RQE 10072

1 Comentário

  1. Fiz uma cirurgia recente e gostaria de saber uma pomada para a cicatriz

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *