Home » Câncer de Pele » Carcinoma Espinocelular (CEC)

Carcinoma Espinocelular (CEC)

Carcinoma espinocelular é um câncer de pele potencialmente grave, que ocorre em áreas de pele expostas ao sol

Carcinoma Espinocelular tem cura?

O carcinoma espinocelular tem cura, desde que diagnosticado precocemente. Este tipo de tumor, diferente do carcinoma basocelular, pode metastizar e levar a óbito. Acima de 2 centímetros de diâmetro, localizados em áreas de risco (boca e orelha) ou relacionados a úlceras crônicas tem um risco maior de metástase e merecem atenção redobrada. O tratamento é usualmente cirúrgico. A cirurgia remove o tumor e uma área de pele ao redor do tumor, como margem de segurança. Em casos mais agressivos ou localizados em áreas delicadas da pele (pálpebras), podemos usar a cirurgia de Mohs. Em casos excepcionais podemos usar tratamentos não cirúrgicos como radioterapia e crioterapia.

Fatores de risco para o carcinoma espinocelular

  • Exposição solar: Este tipo de câncer está relacionado à exposição solar crônica e cumulativa. Portanto, ocorre mais em áreas expostas ao sol como rosto, orelhas, lábio, colo, braços e mãos e couro cabeludo de pessoas carecas. É mais comum em homens, relacionado a exposição solar ocupacional. Por ser cumulativo, ocorre mais frequentemente após os 50 anos de idade;
  • Tabagismo: Fumar dobra o risco de desenvolver carcinoma espinocelular, principalmente na boca;
  • Feridas crônicas: Úlceras e feridas crônicas podem se transformar num carcinoma espinocelular, por isso é bom uma avaliação de um especialista em uma úlcera que leva muito tempo para cicatrizar;
  • HPV: A infecção pelo vírus HPV aumenta o risco de carcinoma espinocelular em região genital;
  • Imunossupressão: Carcinoma espinocelular é mais frequente em pessoas com problemas de imunidade. É um problema sério de saúde em transplantados.

Como reconhecer um carcinoma espinocelular

O carcinoma espinocelular em geral é uma lesão que exibe crescimento. Inicialmente começa como um nódulo avermelhado,endurecido, com a superfície mais áspera, com casquinhas (hiperqueratose). Eventualmente pode ferir e não cicatrizar.

O aspecto do carcinoma espinocelular não é tão sugestivo como de um carcinoma basocelular ou de um melanoma, por isso, pode ser necessária a avaliação de um especialista para o diagnóstico adequado.

figura-carcinoma-espinocelular-orelha-boca-ferida-que-nao-cicatriza-cancer-de-pele-dermatologia-e-saude
A- carcinoma espinocelular se apresentando como uma ferida que não cicatriza. B- carcinoma espinocelular em dorso de mão, nódulo com crostas e ulceração. C- carcinoma espinocelular em ponta de orelha, localização clássica. D-carcinoma espinocelular em lábio inferior, outra localização clássica.

Prevenção do carcinoma espinocelular

Como em todo câncer de pele, o cuidado com exposição solar é a principal forma de se prevenir.

1. Buscar sempre a sombra;
2. Não se expor ao sol nos períodos de maior radiação solar;
3. Usar sempre camisetas, bonés ou chapéus e óculos escuros quando estiver no sol;
4. Usar filtro solar de forma adequada, reaplicando regularmente.

Além o carcinoma espinocelular tem outros fatores de risco que devem ser evitados:

– Evitar o tabagismo;
– Evitar ou diminuir o consumo de bebidas alcoólicas (principalmente os tumores de boca).

E sempre buscar um especialista à menor suspeita. O diagnóstico precoce é o caminho mais curto para a cura.



Dr. Gustavo Alonso PereiraDr. Gustavo Alonso Pereira
Médico Dermatologista
CRM 97410

Outros artigos deste colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google


Tags:

3 Comentários

  1. Relacionados: Cuidados com a sua pele a exposição solar - Dermatologia e Saude
  2. Relacionados: Mapeamento corporal e dermatoscopia digital - Dermatologia e Saude
  3. Relacionados: Fotoproteção - Dermatologia e Saude

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *