Home » Doenças da Pele » Doutor, será que meu filho tem psoríase?

Doutor, será que meu filho tem psoríase?

Doutor, será que meu filho tem psoríase?

zfotopsioareslogo
Psoríase Gutata: pequenas placas ovaladas, avermelhadas e descamativas distribuídas em dorso

Lesões descamativas na pele são muito comuns entre crianças e adolescentes. E, para se ter uma ideia, a psoríase corresponde a 4% de todas as doenças de pele observadas na faixa etária de menores de 16 anos. Já no caso dos adultos com psoríase, um terço começou a apresentar a doença na infância.

Manchas descamativas, ásperas e avermelhadas, áreas esbranquiçadas e sem brilho, placas grossas com descamação prateada e aderida em várias regiões do corpo. O quadro pode ser de uma lesão só ou disseminado. Isso mesmo: a psoríase pode afetar do couro cabeludo até o dedão da unha do pé.

Mas será que as lesões de pele do seu filho são realmente psoríase?

Na infância e adolescência, a psoríase é considerada uma grande imitadora de outras doenças de pele também descamativas. A pitiríase alba, pitiríase versicolor (pano branco), dermatite seborreica, dermatite de fraldas e dermatite atópica são alguns exemplos de enfermidades que podem ser confundidas com psoríase nessa faixa etária.

Qual é a causa dessa doença?

A psoríase é uma doença de componente hereditário, com envolvimento de múltiplos genes. As formas que se desenvolvem em pacientes jovens, geralmente têm um componente genético mais marcante.

Além da própria história familiar, existem fatores desencadeantes da doença também comuns nessa faixa etária, como infecções de garganta e estresse.

Como tratar?

A maior parte dos casos de psoríase em crianças pode ser tratada com medicações tópicas, como cremes e pomadas. A eficácia da resposta depende da forma clínica e da gravidade da doença. Além disso, também podem ser utilizados como recursos terapêuticos:
. Helioterapia (exposição controlada ao sol),
. Psicoterapia: o paciente em idade escolar é particularmente suscetível a comentários, comparações e críticas de seus pares. A diminuição do estresse psicológico ajuda no melhor controle da doença.
. Dieta e exercícios físicos: a psoríase é uma doença sistêmica – os portadores da doença apresentam maior risco de desenvolver pressão alta, alterações do perfil lipídico e até inflamação nas articulações, em relação à população geral. Daí a importância de hábitos alimentares saudáveis e bom condicionamento físico.
. Fototerapia (máquinas de UVB-NB),
. Medicações orais (antibióticos, imunomoduladores e imunobiológicos são os principais exemplos).

A psoríase é uma doença crônica, inflamatória e recorrente. Na infância e adolescência, apresenta, por vezes, manifestações distintas daquelas observadas em adultos, com forte impacto físico e comprometimento da qualidade de vida. O diagnóstico correto é essencial para um tratamento adequado e precoce.

Para saber sobre psoríase palmar, clique aqui : https://www.maisesampaio.com.br/psor%C3%ADase-palmar

 


Dra. Maise Sampaio

maise

Médica Dermatologista
CRM-GO 12756 | RQE 8130

Site : http://www.maisesampaio.com.br

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *