Home » Unhas e Cabelos » Doenças dos cabelos » Queda de cabelos

Queda de cabelos

O diagnóstico precoce e o tratamento correto da queda de cabelos evita o agravamento do problema

Queda de cabelos ao pentear
Queda de cabelos ao pentear

É considerada normal, uma perda de aproximadamente 150 fios de cabelos por dia. Esses fios que caem de forma espontânea, principalmente ao pentear ou lavar os cabelos, são chamados de telógenos e sua queda é parte do ciclo de renovação capilar. Quando o couro cabeludo fica aparente sob os cabelos, já houve uma redução média de 50% da densidade dos fios. Nas mulheres, a diminuição da espessura do “rabo de cavalo” é um sinal precoce da diminuição da quantidade de cabelos.

A queda de cabelos pode ser percebida tanto pelo aumento do número de fios perdidos diariamente, quanto pela rarefação do couro cabeludo (“cabelos ralos”). Cientificamente, o aumento da quantidade de cabelos que cai é chamada Eflúvio e a rarefação ou ausência de cabelos no couro cabeludo é conhecida como Alopécia.

Os cabelos têm uma função estética importante em nossa sociedade o que faz com que a queda de cabelos seja um motivo de grande preocupação para homens e mulheres. Embora seja uma queixa comum nos consultórios dermatológicos, muitas vezes é negligenciada por alguns profissionais.

Causas de queda de cabelos

A queda de cabelos e a rarefação do couro cabeludo podem ter diversas causas. São identificados desde Eflúvios auto-limitados, que terão melhora espontânea, até alopécias cicatriciais irreversíveis. No meio do espectro, estão as alopecias não cicatriciais , de causa auto-imune (alopécia areata) ou genético-hormonais (alopécia androgenética).

Diagnóstico da queda de cabelos

O diagnóstico da queda de cabelos é baseado em um exame clínico minucioso, avaliação laboratorial, dermatoscopia do couro cabeludo (tricoscopia) e, em alguns casos, biopsia do couro cabeludo.

Tratamento da queda de cabelos

Existem tratamentos tópicos, orais, injetáveis e a laser, além de transplante capilar , que pode ser a opção para alguns casos irreversíveis. A modalidade a ser escolhida vai depender de fatores individuais como a causa, o tempo de evolução e a extensão do acometimento. Porém, em todos os casos, o diagnóstico precoce e o tratamento correto são imprescindíveis para evitar o agravamento do problema.



Dra. Juliana PiresDra. Juliana Pires
Médica Dermatologista
CRM-BA 21.882 | RQE 008.828

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google

 

 

 


Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *