Home » Minha Pele » Eu tenho diabetes, e agora?

Eu tenho diabetes, e agora?

Você descobriu que está com diabetes e está querendo saber tudo o que essa doença pode causar no seu organismo. Vamos lhe ajudar a conhecer as alterações que causa na pele, o que significam e o que fazer para evitar complicações.

Como é possível ver o que está acontecendo na pele, ao contrário do que ocorre nos órgãos internos, como os olhos e os rins, por exemplo, é mais fácil a detecção e instituição precoce dos tratamentos necessários. 

Micoses

A glicemia aumentada e a diminuição no sistema de defesa da pele fazem com que as micoses sejam mais frequentes no diabético, quer seja no corpo (tinha do corpo), nos pés (micose dos pés) ou nas unhas (micose das unhas).

Micose - Tenho diabetes...e agora?
Micose da unha do pé num paciente diabético.

Candidíase

É um tipo de micose, mas causada por um fungo, a Candida albicans, que é habitante natural da nossa pele e encontra facilidade em se multiplicar na pele do diabético. Como todo fungo, gosta de lugares quentes e úmidos como boca, dobras (axilas, embaixo das mamas, virilha, entre os dedos dos pés, ao redor do ânus).

Se você notou lesões avermelhadas que descamam, mesmo que não cocem, em qualquer parte do corpo, procure o médico especialista para o diagnóstico correto e tratamento indicado.

Erisipela

Muito cuidado com as frieiras! Essas pequenas fissuras entre os dedos podem ser a porta de entrada das bactérias causadoras da erisipela, uma infecção grave da camada profunda de pele. Ela causa febre e edema importante e pode comprometer a perna toda, ocasionando até mesmo uma hospitalização.

Por causa da infecção, a dose do medicamento que era suficiente passa a não conseguir mais manter a glicemia controlada.

Feridas

As feridas e machucados demoram mais a cicatrizar e têm mais chance de infeccionar. Todo cuidado é pouco com as feridas nos pés diabéticos. Por causa da deficiência da microcirculação (vasos muito pequenos da pele e dos nervos da pele), pequenos machucados podem evoluir para úlceras, a pele pode sofrer gangrena (cor preta por morte das células) e, se não tratada a tempo, até a amputação pode ser necessária.

Utilize sempre calçados confortáveis para evitar machucados. Cuidado ao cortar as unhas dos pés. Fique atento aos pequenos machucados. É importante destacar que quanto mais controlados os níveis glicêmicos, menor a chance de afetar a microcirculação a longo prazo. Por isso, manter a glicemia estável desde o início protege a microcirculação da pele e dos órgãos internos também.

Bulose diabética

São bolhas que aparecem principalmente nas extremidades, e ocorrem em pacientes portadores da doença há vários anos. Têm tendência a se curarem espontaneamente em duas a seis semanas, mas podem logo aparecer em outros locais. O risco é a infecção secundária.

Necrobiose lipoídica

As lesões da necrobiose lipoídica geralmente aparecem nos tornozelos das duas pernas e são acastanhadas, afundadas, grandes, com fundo amarelado e presença de vasos dilatados. Podem ser a primeira manifestação do diabetes, daí a importância de saber reconhecê-las.

Normalmente não apresentam sintomas, a não ser que se faça uma ferida (já que a pele é mais fina, a chance é grande de isso acontecer), que pode infeccionar e doer. Ocorrem com mais frequência nas mulheres. O tratamento é difícil e deve ser conduzido pelo médico especialista

 

Necrobiose lipoídica
Lesão típica de necrobiose lipoídica na perna de mulher diabética.

Dermopatia diabética

É uma das lesões mais frequentes no paciente diabético, principalmente nos homens. É causada pela degeneração das pequenas artérias da pele. Aparecem principalmente nas pernas como pequenas manchas de formato oval ou redondo, com a pele bem fina. Devemos ficar atentos para investigar se também está ocorrendo essa degeneração nas pequenas artérias dos órgãos internos. Novamente ressaltamos a importância do controle dos níveis glicêmicos .

 

Dermopatia diabética
Lesão de dermopatia diabética na face anterior tibial de paciente diabético do sexo masculino.

Prurido

A longo prazo o diabetes mal controlado vai provocando o estreitamento dos pequeníssimos vasos que nutrem os nervos responsáveis pela sensibilidade da pele. A baixa na oxigenação desses nervos provoca uma sensação de coceira, queimação e até formigamento de algumas regiões do corpo. É uma condição extremamente desagradável e incômoda, e o tratamento não traz o alívio desejado.

O rígido controle da glicemia, os cuidados com calçados e a prevenção à micose são a chave para que você não sofra desses males. Contudo, é importante evitar a automedicação, o uso indiscriminado de pomadas, antissépticos, álcool, arnica, banhos de ervas, que parecem inofensivos, mas podem provocar reações alérgicas e complicar a vida do paciente com diabetes.

Observar a pele e procurar ajuda médica especializada assim que notar alguma dessas alterações é que vai fazer a diferença.



Dra. Maria Teresa Pereira SoaresDra. Maria Teresa Pereira Soares
Médica Dermatologista
CRM-MG 35902 | RQE 11669

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *