Home » Doenças da Pele » Hanseníase

Hanseníase

Hanseníase é uma doença contagiosa mas que tem cura, os remédios são fornecidos pelo governo e quanto antes começar o tratamento, menor a chance de sequelas

Quando escutamos a palavra hanseníase, na hora pensamos nas deformidades, pessoas abandonadas, isoladas, com pedaços de dedos caindo….calma! Hoje em dia conseguimos fazer o diagnóstico rápido e iniciar a prevenção das sequelas, com acompanhamento de vários profissionais no posto de saúde (médicos, enfermeiras, fisioterapeutas, etc). Se você acabou de receber o diagnóstico de hanseníase, não precisa ter medo, nem vergonha, nem se isolar dos outros. Leia o texto abaixo e fique tranquilo: Hanseníase tem cura!

A Hanseníase é uma doença infecciosa causada por uma micobactéria, chamada Mycobacterium leprae ou Bacilo de Hansen. É uma doença que pode envolver somente a pele ou também os nervos, podendo deixar sequelas se não for tratada no início.

Nem todos as pessoas que entram em contato com as bactérias adoecem, pois a maioria possui capacidade de defesa dentro do próprio organismo contra os bacilos.

Aqueles que não possuem a capacidade de destruir as bactérias com sua imunidade podem desenvolver duas formas clínicas da doença:

1 – Paucibacilar – 1 a 5 lesões de pele e pouca quantidade de bactérias.

2 – Multibacilar – Mais de 5 lesões de pele e alta carga de bactérias.

Quais são os sinais e sintomas da doença?

  • Manchas brancas, avermelhadas e amarronzadas pelo corpo que podem ou não ter diminuição da sensibilidade e que muitas vezes estão em áreas pouco visíveis, como região glútea (das nádegas);
  • Áreas de pele com diminuição do suor;
  • Áreas de pele com diminuição dos pelos, principalmente nas sobrancelhas;
  • Diminuição da sensibilidade a dor, calor ou tato. A pessoa pode se queimar sem perceber;
  • Sensação de dor e choque no trajeto dos nervos;
  • Diminuição da força nos músculos dos braços e mãos, por inflamação dos nervos que podem estar mais grossos e palpáveis;
  • Feridas abertas (úlceras) nas pernas e pés;
  • Caroços vermelhos dolorosos pelo corpo;
  • Emagrecimento;
  • Mal estar geral.

Como se transmite?

Através do contato de um indivíduo sadio com uma pessoa com a forma multibacilar da doença SEM TRATAMENTO, isto é, que ainda não começou a tomar os remédios, que elimina as bactérias por via respiratória (tosse, espirros, secreções nasais).

Hanseníase não se transmite por compartilhamento de pratos, copos e talheres, contato com bancos ou assentos, beijos, apertos de mãos, abraços, picadas de inseto, relações sexuais, aleitamento materno, doação de sangue nem durante a gravidez.

Existe período de incubação?

Sim é o tempo entre a pessoa ter o contato com a bactéria e manifestar algum sintoma da doença. Na hanseníase esse período é em média dois a cinco anos.

Por quanto tempo a pessoa infectada fica transmitindo a doença?

Até iniciar o tratamento. Lembrando que somente as pessoas que tem a forma multibacilar da doença podem transimitir.

Como confirmar o diagnóstico?

A confirmação da doença se dá pela avaliação clínica, em postos de saúde. São analisados os sinais e sintomas com exame de toda a pele, olhos, nervos, avaliação da força muscular. Em alguns casos exames complementares são necessários.

Como tratar?

Com os comprimidos fornecidos pelos postos de saúde. Você deve comparecer às consultas para ser examinado e vai receber os remédios para o seu tipo de hanseníase (paucibacilar ou multibacilar).

Como se prevenir?

Não existe uma forma de prevenção específica, porém algumas medidas de adotadas podem ajudar: Diagnóstico precoce e exames das pessoas que moram na mesma casa de uma pessoa que foi diagnosticada, mesmo que não apresente nenhum sintoma.

Sequelas

As lesões dos nervos podem gerar incapacidades, por isso é muito importante o exame neurológico do doente. As mais frequentes são ulceras nos pés, perda de força muscular com deformidade (mão em garra, pé caído).

Conclusão

A hanseníase ainda é um problema de saúde pública no Brasil.

O tratamento evoluiu muito nos últimos anos. Começando o tratamento logo e comparecendo corretamente às consultas, segundo as orientações dos médicos e enfermeiras , tomando os remédios direitinho, podemos evitar as sequelas e as deformidades que tanto nos assustam, mas que hoje em dia são mais raras.



Dra. Caroline BrandãoDra. Caroline Brandão
Médica Dermatologista

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google


Colaboração



Dra. Maria Teresa Pereira SoaresDra. Maria Teresa Pereira Soares
Médica Dermatologista
CRM-MG 35902 | RQE 11669

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google


Tags:

2 Comentários

  1. tem umas manchas na coxas do lado de detro posterio da coxa so aparece quando eu tomor banho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *