Home » Doenças da Pele » Ocronose exógena

Ocronose exógena

A ocronose exógena ocorre quando manchas castanhas acinzentadas aparecem na pele já manchada que está sendo tratada com substâncias clareadoras, especialmente a hidroquinona. Observa-se que as manchas já existentes, além de não clarearem, tornam-se mais escuras e resistem aos tratamentos. Com frequência é confundida com piora do melasma.

Ocronose Exógena

A doença

Descrito como ocronose, este é um quadro que pode se dividir em dois tipos: exógena e endógena.

A forma endógena é uma doença rara, hereditária, provocada pelo acúmulo de uma substância –o ácido homogentísico – no sangue e nos órgãos, causando danos nas cartilagens e ao coração, pedra nos rins, urina escura, manchas, entre outros.

A forma exógena – descrita nesse artigo – se parece com a endógena, mas atinge somente a pele. É causada por algumas substâncias com o Resorcinol*, fenol, mercúrio, quinina injetável e remédios para malária, de uso oral. Porém, o maior índice de casos são provocados pela hidroquinona, um produto usado para clarear manchas de pele cujo uso é muito frequente.

Manifestações clínicas

São manchas que aparecem nas áreas de pele expostas ao sol naqueles pacientes que fazem uso muito prolongado – e sem acompanhamento – de produtos para clarear manchas já existentes. Não tem sintomas. Ocorrem preferencialmente nas proeminências ósseas, especialmente na face, pescoço, costas e áreas extensoras dos braços.

Inicialmente, as manchas que estão sendo tratadas com clareadores sofrem uma piora paradoxal, começando com vermelhidão e discreta pigmentação, e evoluem adquirindo uma cor acinzentada, um certo grau de
afinamento (atrofia), até aparecerem pequenas elevações brancacentas (milio colóide). Entremeando as manchas castanho acinzentadas observam-se máculas brancas, que lembram confetes, e o seu conjunto lembra uma rede (aspecto reticulado).

Tratamento

O tratamento da ocronose tem solução pouco eficaz. Vários tratamentos já foram testados, e todos com resultados pouco interessantes. A utilização de vários tipos de laser, como Q-switched, ruby, alexandrite, Nd-YAG, CO2, dermoabrasão, está entre os tratamentos escolhidos.

Esse artigo procura mostrar que automedicação sem orientação ou abandono do acompanhamento após qualquer prescrição pode ter consequências desastrosas. Todo medicamento tem risco. Esse risco, chamado efeito colateral, que pode acontecer com o seu uso correto, está ampliado quando usado sem orientação. O fato de ser um produto para uso externo não modifica seus riscos.



Dra-Marta-Izabel-Cerutti-AlbeDra. Marta Izabel Cerutti
Médica Dermatologista
CRM-RS 14708| RQE 12477

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *