Home » Doenças da Pele » Espinhas no couro cabeludo? Pode ser Foliculite Decalvante

Espinhas no couro cabeludo? Pode ser Foliculite Decalvante

A foliculite decalvante é um tipo de queda de cabelos que ocasiona lesões com inflamação e pus no couro cabeludo, lembrando espinhas. Tem uma evolução crônica e progressiva, formando áreas de cicatrizes e falhas no couro cabeludo.

Espinhas no couro cabeludo
A Foliculite Decalvante aparece como vermelhidão, crostas e bolinhas vermelhas na raiz dos cabelos.

Afeta em geral adultos jovens, um pouco mais os homens do que as mulheres, e parece ser mais frequente nos afrodescendentes.

Por que isso acontece?

É comum em pessoas com severa dermatite seborreica do couro cabeludo (a popular caspa), que apresentam muita inflamação e descamação. O processo é desencadeado na maioria dos casos pela presença de microorganismos na raiz do fio.

Espinhas no couro cabeludo
A Foliculite Decalvante faz o aspecto de ͞cabelo de boneca͟, onde vários fios saem da pele juntos.

Como se manifesta?

Pode aparecer como uma única lesão ou várias, sendo mais comum no topo da cabeça. Surgem bolinhas bem vermelhas ao redor dos fios de cabelo, que costumam ser dolorosas por ter muita inflamação. Os pacientes podem sentir também sensação de queimação, coceira e ter sangramentos no local. Ao encostar sentimos o inchaço da pele.

É comum vermos vários fios de cabelos saindo de um mesmo poro que está dilatado, os chamados tufos, que lembram cabelos de bonecas. Isso acontece porque a inflamação no couro cabeludo é tão intensa que destrói o local por onde o pelo sai da pele, fazendo com que ele desvie seu caminho e saia junto a outros fios por outro canal.

Com o tempo ocorre queda de cabelos, e as lesões se juntam formando grandes áreas de falha no couro cabeludo. Essas áreas representam cicatrizes, e o cabelo pode não crescer mais ali.

Espinhas no couro cabeludo
A Foliculite Decalvante evolui com formação de áreas de falha e cicatrizes no couro cabeludo.

Tratamentos

A foliculite decalvante costuma ser de difícil tratamento. Antibióticos, corticosteroides, isotretinoína e dapsona são opções terapêuticas. Procure seu dermatologista se você acha que pode ter esta doença.



Dra. Gabriela Pfitzer SchaeferDra. Gabriela Pfitzer Schaefer
Médica Dermatologista
CRM-SC 12965 | RQE 10072

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Encontre-me no Google


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *