Home » Dicas » Eu tenho eritema multiforme e quero saber mais

Eu tenho eritema multiforme e quero saber mais

O eritema multiforme (também chamado de eritema polimorfo) origina-se pela variedade na apresentação das lesões que, além do clássico formato em alvo, podem assumir diversas formas como urticas, vesículas, bolhas, manchas e erosões.

Eritema
Multiforme no braço de paciente jovem-eritema multiforme reacional a surto de herpes simples.

É considerado uma reação de hipersensibilidade cuja causa pode ser idiopática (desconhecida). Pode também existir um fator desencadeante que funciona como gatilho (vírus, bactérias, fungos, protozoário ou medicamento).
Se esta é a primeira vez que você apresenta lesões de pele com as características descritas acima, e ao consultar seu médico ele lhe deu esse diagnóstico, saiba que as chances de tais episódios se repetirem são reais. Se o profissional, com a ajuda de suas informações, conseguiu identificar uma causa para o eritema multiforme, este poderá ser prevenido.

Exemplificando: uma das causas mais frequentes para essa reação na pele é o surto de herpes simples. Se esse for seu caso, o tratamento para evitar que os surtos do herpes aconteçam também estará evitando novos episódios do eritema multiforme. Contudo, se a causa não for identificada, você deve ficar atento para evitar as medicações que podem causá-lo. Caso aconteça novo episódio, procure imediatamente seu médico para que o tratamento se inicie o mais breve possível.

Como é o eritema multiforme?

É uma síndrome clínica que se apresenta com lesões de pele no formato de alvo (vermelho-rosadas, elevadas, e no centro delas formam-se vesículas ou bolhas) e podem ser acompanhadas de erosões na mucosa da boca e dos genitais bem como vermelhidão e ardência nos olhos. Outras vezes, apresentam formato de anel, ou apenas são vermelhas e elevadas. Têm distribuição preferencialmente acral (braços, pernas, mãos, pés e face), mas podem espalhar-se. As lesões são acompanhadas de coceira, ardência, e alguns doentes queixam-se de dor local. Febre, mal-estar, dor muscular, dor para engolir e tosse podem alertar para gravidade devido à intensidade da reação

O eritema multiforme é grave?

Os casos graves são pouco frequentes e chamados de eritema multiforme major (ou Síndrome de Stevens-Johnson). Ocorrem quando acometem a pele e as mucosas (boca, vulva, glande), e estão acompanhados de mal-estar geral, febre e outros sintomas sistêmicos, necessitando internação hospitalar quando muito intensos. Geralmente são provocados por remédios.

Porém, a grande maioria dos casos está no grupo que chamamos de eritema multiforme minor, quando apenas a pele está envolvida e acompanha de poucos sintomas.

O que causa o eritema multiforme?

Como citado anteriormente, existem várias causas que funcionam como estímulo para desencadear as lesões. Na maioria dos casos do EM major o que provoca a reação são medicações como antibióticos, analgésicos, antiinflamatórios e remédios usados para controlar convulsões. O EM minor ocorre com maior frequência como reação a infecções de bactérias, fungos e vírus dentre este o herpes simples vírus tem sido considerado a causa mais frequente com lesões aparecendo 7 a 12 dias após a infecção viral. Também pode aparecer após vacinas, radioterapia e exposição a toxinas ambientais como da hera venenosa. EXISTE TRATAMENTO? O tratamento do EM é feito com acompanhamento pelo médico dermatologista que irá avaliar se há necessidade de medicações oral (como antialérgicos ou corticóides) ou internação hospitalar. Na maioria das vezes apenas cuidados locais e cremes de uso externo a base de corticóides são efetivos. O doente deve ser mantido sob supervisão do especialista até que o quadro se resolva o que acontece em média num período de 4 semanas. Se a causa for identificada, deve ser removida, no caso de infecções elas devem ser tratadas e se for causada por medicação esta deve ser suspensa ou substituída.



Dra-Marta-Izabel-Cerutti-AlbeDra. Marta Izabel Cerutti
Médica Dermatologista
CRM-RS 14708| RQE 12477

Outros artigos desta colunista em www.dermatologiaesaude.com.br zoom in

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *